quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Pokim

Quando sonhar
Conter
Rezar
Rever
Quando parar
Sentir
Amar
Sorrir
Quando deixar de ser corrente
Ser coerente, ser
Como abrir, fechar, abrir e rir
Qualquer será
Se ir
Sair
Faltar
Não olhará
No espelho do agir
Nada será mais ritmo
Que esse bater de pulso
Meu
Cabeça cheia também é oca
Cabeça oca vazia está
Quem pode
Ou o que
Poderá
Fazer essa cabeça esvaziar
Ou faze-la ainda se encher
O saco
Todas as rimas nas palavras mais bonitas
Ouvi trovão e escrevi o meu momento
Se eu viajar a minha cabeça vira extrato
Um pouquinho de nada mais
Um pouquinho eu quero mais
Mais um pouquinho de um pouco mais
Nenhum tiquinho sobrou pra mim
Um calorzinho e um calorzão
Não é pouquinha essa inquietação

Nenhum comentário: