domingo, 31 de maio de 2009

Até quando avassalado?

Até quando?

Eu queria te dizer

Isso

Até quando isso?

Eu queria te dizer

Isso que me envolve

A ponto

De me remeter

Somente por sua voz

Aquela que encontro

Em qualquer lugar

Aquela que é dita

Falada

Em rede nacional

E essa divisão me mata

E acredite

Eu ainda me vejo

Vivendo com você

Amando

Sorrindo

É por isso que fecho os olhos

Alimento minha mente

Sufoco minha voz

E me ponho a variar

Eu sou um ausente

Nesse instante

Nesse rompante

De insanidade

Ora,

Você nunca será

Nunca

E isso é cicatriz

Que eu vejo todo dia

Lamentando

Sem esquecer

Ainda sonhando

E condenado

Por que você?

Ora, você

Você se manteve no seu direito

Ninguém é obrigado

A gostar

Nem eu

Por isso cesso

Paro, penso

Por isso

Entendo

Por isso

Choro

Rasgo

E traio

Me traio

Juntando os farrapos

Os rasgados

Pra sentir

Uma ilusão

De preferência

E é assim

Que me provo

A insensatez

Que é ser

Essa pessoa

Que se deixou

avassalar

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Seguindo a tendência: mania de complicar

Eu continuei

Ao som do violino

Ao som de mim

Menino

Eu vaguei correndo

Eu suei ardendo

Em brasa

A seco

Em meio

A vastidão

Eu continuei sedento

Eu como um rebento

Triste por ser forasteiro

Por ser de outro onde

Eu misturei as bolas

Fundi

E na fusão de crânios

Cérebros

Eu me perdi em tanta

Terminação

Nervosa

A sensação

De ser triste

De ser

Eu não parei

Com aquela velha mania

Eu só parei

De falar sobre você

Eu me atirei na dor

E pensei que

Quando quero

Eu saio sim

E retornei

A mim

Sem querer

Porém querendo

Uma intimidade

Que me entenda

Me conduza

E compreenda

Que é fácil viver

Mas eu tenho mesmo a tendência de complicar

sábado, 16 de maio de 2009

Sim é o momento

Ever

É assim que sempre

Eu bem contente

Vendo a gente

Se entender

É assim que quero

Quando te espero

Sorrir pra mim

Eu sou mesmo

Esse entregue

Esse cara

Que você conheceu

Nem sou muito diferente

Muito embora

Às vezes pense

Que sou mais

Do que poderia ser

O que é lindo, no entanto

Mais que seu sorriso

Aquele

De canto

É te ver

É te sacar

Tem lugar aí no peito?

Tem espaço?

Com todo respeito

Deixa eu entrar?

Sim

E eu quero assim

Bem perto de mim

Como quem descobre a vida

Ou como

Quem revive

Ela

A vida

Com verdade e sentimento

Diz que é o momento

De se deixar

Se deixar

É nosso

Ton