quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Um dia normal

Um dia normal

Os loucos já estão na rua

Minha vida parece nua

Despida

Um dia normal

As luzes já se apagaram

O sol brilha forte e raro

Faz muito calor

Aquece essa dor

Que eu não sei

Mais sentir

E talvez

Nem saiba sorrir

Presse dia

De uma alegria que dói

Nem saiba sorrir

Prum destino

Qualquer

Nem saiba saber

Da verdade

Que envolve

Essa letra

Que absorve

A vida

Que entende a vontade

Que sucumbe a partida

Que inteira a saída

Quando tudo se der

E esse sol abaixar

Quando ao lado tiver

Você

Vai entender

Você

Compreenderá

Mas nunca verá

E virá

Em um dia normal

Um dia normal

Os loucos já estão na rua

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Eu quero dizer algo que eu ainda não sei

Eu quero dizer algo que eu ainda não sei

Umedeço os lábios pedindo música

Mas só vejo beijo de quem não me da bola

Pra que olhar pro céu?

De lá não vai cair

Fazer esse papel

Que é pra boi dormir

Vão todos a merda

Escolham seus pares, e vão

Vão embora

O alerta

Foi dado não tem

Confusão

Não

Foi tiro na testa

Foi bala perdida

E explosão

Tão

Tão perto da festa

Do lado da contradição

São

Levados a beça

Nascidos de um mundo de nãos

A espera do sinal qualquer

Levado a ter a impressão

Que sujo eu estou mal vestido

Não tem a menor condição

De ler o que escrevo ou risco

Com a mesma sensação

De esquecer a rima

De lembrar da cisma

Do início ou não

Eu quero dizer algo

Que eu ainda não sei

Mas paro antes que seja falso

Pensar tudo o que já pensei

Portanto, eu não sei