quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Me arrepiei quando Patrícia Selonk gritou:

Porque eu tava na praia peneirando areia insistentemente, vieram me perguntar:

- O que você procura na areia?

Eu disse:

- Eu procuro a outra parte de mim que perdi.

- Mas você não vai achar nada aí, sua boba!

Então eu respodi, sorrindo:

- Já procurei meu amor em tantos lugares, não custa procurar aqui!

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Alô... Hello!

Hello my dear
Eu aqui catando o milho
Da minha cabeça
E o mundo
Passando por ela
Como se não houvessem
Fronteiras
Essas fronteiras que separam
Meu non-sense life style
Bem mais careta
Do que eu mesmo
Posso imaginar
Hoje ta sendo dia de olhar
Com olhos outros
Eu to indo e vindo
Na coisa de viver
Sem maior erudição
Do topo, teto
Ao chão
Do vão
Alberto!
Aberto estão
Nesses dias tropiquentes
Onde até o vento
É caliente
Onde eu quero me notar
Venham,
E sempre muito
Bem-vindos
Sejam!
Alô... Hello!
Alô... Helloisa?
Ta me ouvindo?
Tu Tu Tu...

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Prazer Júlia - Até que ponto?

para ler ouvindo L'absente - Yann Tiersen

É como expulsar o desejo
Purgar os sentidos
E a boca seca manter
Esse entrave
Essa hora que não passa
Esse aspecto de serenidade
Que é a mentira mais bem contada
NÃO
Não se aproxime
Nem por um momento se lembre de mim
Agora você vai virar de costas
Vai fechar os olhos e esquecer

Oi
Prazer, Júlia!
Você sabe a que horas passa o ônibus?
Não, é a primeira vez que venho aqui
Sim, 22h30, obrigada!
Não, não nos conhecemos de algum lugar nenhum
Será que passa esse frio?
Você não com frio não?
Vai acabar pegando um resfriado
Não, eu não dou papo à estranhos
Mas você me deu um cigarro
Me falou a hora que o ônibus passa
Não saio por aí falando com qualquer um, não
Não sou dessas
Ah já vai
Ta bom, valeu pelo cigarro!
Aí seu ônibus, até.
Foi
Oi
Você quer um cigarro?
Era daquele maluco que foi ali
Eu nem fumo, meu amigo. E ele me deu um cigarro.
Você sabe que só vai passar as 22h30 né?
É a primeira vez que você vem aqui?
Porque eu tenho a impressão que te conheço de nenhum lugar algum
Eu não sinto frio não.
Não tenho medo de resfriado, não.
Eu já vi que você não da papo à estranhos
Não é desses
Que desejo?
Que sentidos?
Que boca?
Do que você está falando?
Passa sim, vai chegar às 22h30!
Eu não sou serena, eu tomo remédios.
Mentira, eu?
NÃO
Mas eu estou bem aqui sem me mover.
Eu não te conheço, desculpe.
É um assalto?
Esquecer!
(Grito)
O... o... oi
Prazer Júlia.